Mês: novembro 2015

EDUARDO COSTA:PERSEGUIÇÃO OU MALVERSAÇÃO?

EDUARDO COSTA

EDUARDO COSTA(DP)

As prisões que aconteceram na manhã do dia 18/11 relacionadas ao Município de Bacabal, foram feitas a pedido do Ministério Público do Maranhão, baseado em denúncia apresentada pelos promotores Klícia Castro de Menezes, Francisco Teomário Serejo Silva e Michelle Adriane Saraiva Silva,dando conta que o ex-prefeito Raimundo Lisboa e os integrantes da organização criminosa, desviaram R$ 4.450.687,11 dos cofres públicos municipais, em favor da empresa El Berite Construções.
Até aí, nenhuma novidade das quais já havíamos tomado conhecimento através da mídia televisiva e escrita.
Dentre os presos, estavam Gilberto Ferreira Gomes Rodrigues, Aldo Araújo de Brito, Josival Cavalcanti, o Pacovan,  sua esposa Edna Maria Pereira e Eduardo José Barros Costa, conhecido como Eduardo DP ou Imperador.
Além destes, constou ainda a prisão de Gláucio Alencar Pontes de Carvalho, que já estava preso, aguardando julgamento.
As diligências daquele dia, começam a ficar questionáveis a partir dos documentos que tivemos acesso.
As fundamentações das prisões dos acusados, estão em consonância com o relatório de busca e apreensão realizado pela SEIC(Superintendência de Investigações Criminais) no dia 25 de maio de 2015.
1
O referido relatório, traz como beneficiários do esquema criminoso, nomes conhecidos da população dompedrense, como o Juiz Sidarta Galtama e o atual prefeito de Dom Pedro, Hernando Dias de Macedo, que segundo as exposições, teve creditado em sua conta pessoal R$-60.000,00 pela a empresa EL BERITE, que a autoridade policial afirma ser mais favorecida na fraude.
2
el berite
Ademais, o enredo fático fica ainda mais nebuloso, pois dentre os pedidos de prisões do Ministério Público de Bacabal, não consta o nome do empresário Eduardo Costa.
3
45
Pois bem, na preposição do Juiz de Direito Jorge Antonio Sales Leite, da 3ª Vara da cidade de Bacabal, ficou configurado a necessidade da restrição de liberdade do acusado Eduardo José Barros Costa, mesmo sem o Ministério Público requerer.
O embasamento legal do magistrado, se deu em concordância com autoridade policial(SEIC), estabelecida na capital maranhense e subordinada a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Maranhão.
Simples assim.