Mês: junho 2014

ARNALDO MELO SERÁ O VICE DE LOBÃO FILHO

arnaldomeloedinho

LOBÃO FILHO E ARNALDO MELO

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Arnaldo Melo (PMDB), será anunciado amanhã (1°) como candidato a vice-governador na chapa do senador  Edison Lobão Filho, candidato ao Governo do Estado pelo mesmo partido.

Melo já seria anunciado hoje (30), o que possibilitaria o registro da chapa, mas pediu um dia para comunicar a decisão à família e aos principais aliados e correligionários.

Entre os governistas, principalmente na Assembleia, a escolha foi tida como acertada.

Resta saber se os deputados estaduais acham mesmo isso, ou se estão apenas de olho nas bases eleitorais do presidente da Casa.

O tempo dirá…

(por Gilberto Léda)

DE CONVENÇÃO EM CONVENÇÃO

20140408-150934.jpg

Da Coluna do Sarney

Há 60 anos, exatamente em 1954, eu comparecia à primeira convenção partidária, para concorrer a uma cadeira de deputado federal. Ontem, 2014, eu comparecia a outra convenção, para dizer que não desejava mais ter cargos eletivos. Foi, talvez, o discurso mais difícil da minha vida. Em Macapá, era esperado no aeroporto por mais de cinco mil pessoas, bandas de música, faixas e a militância de quase todos os partidos a gritar e exigir de mim: “Fica Sarney”. Muitas vozes se diziam órfãs, que o Amapá vai desaparecer da presença nacional e o Estado vai parar, porque as obras que ali existem fui eu quem as fez – três hidrelétricas, universidade, colégios do antigo Cefet, hospital da Rede Sarah, Zona de Livre de Comércio, Zona Franca Verde, estradas, ponte para a Guiana Francesa, no Oiapoque, recursos para escolas, saúde, saneamento e o porto de contêineres, entre outras. O povo é reconhecido pelo que fiz. Na convenção, comovido, vendo tanta gente chorar, pedi que me ajudassem compreendendo minha decisão, e com o coração de joelhos aceitassem que depois de 60 anos de mandatos, Deus me pedia que eu desse mais tempo para cuidar da minha saúde, da minha mulher e da minha família, e concluísse os livros inacabados.

Não vou abandonar a política. Ela, como eu disse ao ingressar na Academia Brasileira de Letras – onde sou o decano, o mais antigo membro -, que a política só tem uma porta, a da entrada. Virgilio Távora me dizia que só se saia da política quando o povo largava a gente, ou a gente largava o povo. Eu descobri outra maneira, a idade. Já não tenho o vigor dos meus 24 anos, do primeiro ano da primeira campanha.

Ocupei todos os cargos políticos da República, chegando mesmo a ser presidente. Sou o senador que mais tempo passou no Senado, do qual fui presidente quatro vezes: 38 anos. Atrás de mim vem Rui Barbosa com 33 anos.

Dividindo a política com a literatura, publiquei 142 títulos, alguns deles traduzidos em 12 línguas. Sou das Academias Maranhense e Braziliense de Letras, da Academia de Ciências de Lisboa, doutor por algumas universidades estrangeiras, entre as quais muito me orgulham a de Lisboa e a de Pequim. A França me condecorou com a mais elevada honraria mundial, a Grã-Cruz da Legião de Honra, criada por Napoleão. O que eu quero mais senão agradecer a Deus a vida que me deu, as estrelas que colocou em minhas mãos. Vou dar qualquer importância aos que me insultam? Eles daqui a alguns anos, e eu desejo que Deus lhes dê muitos e muitos, serão apenas o esquecimento dos ossos. Não tenho direito de odiá-los nem de ter ressentimentos. Encerro uma etapa da minha vida, vitorioso e sem mágoas.

Com a obrigação de ir à convenção do PMDB no Amapá, estive ausente da festa de sexta-feira, em São Luís, que consagrou Lobão Filho nosso candidato, uma revelação como líder da nova geração. Em um mês, sem propaganda e sem nada, apenas com o seu talento político, chegou aos 29% na última pesquisa, obrigando a empáfia do adversário a entrar em linha descendente e cair até a derrota. Sabe-se que agora, definido o quadro o que conta é a tendência. Lobão Filho está subindo, o outro está caindo. Recentemente, os analistas de pesquisas me afirmaram que quando começar o programa eleitoral, estas linhas se cruzarão. Edinho na frente, o atraso para trás. O “novo”, como dizem, é o mais antigo pensamento político de dois séculos, o comunismo, concebido por Marx e Engels como uma ideia da igualdade, generosa, que data da metade do século XIX, quase 200 anos, fracassou, e sua última lembrança são os milhões de mortos da tirania do Stalin. Chávez, da Venezuela, aqui veio pregá-la, como se o Maranhão fosse o fóssil político do Brasil e agora é o “novo” dos 200 anos!

Lula e Dilma estão com Edinho e com eles o povo do Maranhão. Nenhuma paixão tenho maior do que pela minha terra. Foi aqui que Deus abriu meus olhos para o mundo, fazendo-me nascer. Foi do povo maranhense que recebi o primeiro impulso. Retribui, devolvendo ao estado o que realizei, e tudo do que aqui foi feito passou pelas minhas mãos, até os adversários.

Vejo a felicidade dos meus anos e a mão da Deus.

JOSÉ SARNEY:O ADEUS À VIDA PÚBLICA,JAMAIS À POLÍTICA

JOSÉ SARNEY E DONA MARLY

Aos gritos de “fica” e em rápido discurso na convenção do PMDB do Amapá nesta sexta-feira (27), em Macapá, o senador e ex-presidente José Sarney, 84, oficializou que não disputará nenhum cargo nas próximas eleições. Sarney citou Lula e FHC, atacou os adversários locais e disse que a saída das disputas eleitorais é “definitiva”. “Hoje, depois de muitos anos na politica, exercendo minha profissão de maneira digna depois de 74 anos de vida pública, é o discurso mais difícil para mim. Nem tinha palavras para encontrar e expressar o que tenho a dizer. Estou na convenção para lutas, participando com os companheiros em torno de uma campanha que acho necessária para o Amapá. Vim para servir”, afirmou Sarney.

Maranhense que se ele elegeu senador pela primeira pelo Amapá, em 1990, Sarney disse irá continuar na vida política, inclusive auxiliando nas campanhas de seus aliados locais. “Eu não vou sair da política, vou continuar. O Lula não tem mandato e é ex-presidente com todo o prestigio nacional que ele desfruta. Fernando Henrique não tem mandato e é uma presença com grande parcela de liderança pelo país. Eu também não terei mandato, mas serei um político e terei minha parcela a nível nacional, a serviço do Brasil e do Amapá.” E relembrou que o principal motivo para a retirada de sua candidatura é a saúde de sua mulher, Marly. “Essa é uma decisão definitiva. A vida está me pedindo um tempo, e a política está muito desestimulante. Sou casado há 64 anos e agora atravessamos dificuldades que me abalaram profundamente e também creio que estou sendo um exemplo para os maridos”, declarou Sarney, ao chegar ao local da convenção.

Cercado de políticos, o senador participou do evento sob gritos de “fica”, manifestados por militantes do partido. Sarney ainda pediu a compreensão da militância. “Em 1954 eu tinha 24 anos e eu participava da primeira convenção como candidato a deputado federal e hoje, 60 anos depois, peço que compreendam a minha decisão. Vocês que estão pedindo para que eu continue. Não vou deixar jamais a politica do Amapá e estou cumprindo um dever e acho que o Amapá precisa de paz e diálogo.”

Sarney também afirmou ser alvo de criticas e provocações que, segundo ele, não condizem com a avaliação do eleitorado amapaense. “Não julgo a educação do povo amapaense, pois sei que ele é educado e sei que a falta de educação foi proveniente de pessoas compradas dos adversários políticos. Nunca ninguém vai me tirar do Amapá. Este é um grito autoritário, pois a minha presença incomoda, pois trabalho e o povo reconhece a vitória.”

Sarney, vaiado em recente evento no Estado ao lado de Dilma, completou: “Para mim o Amapá é ternura, amor e amizade do povo que há 20 anos me recebeu tão bem. E eu não vou parar, vou continuar a trabalhar. Vou implantar a Zona Franca e também trazer indústrias e oficializar novas usinas hidrelétricas, para o desenvolvimento do Amapá”. Sarney encerrou seu discurso agradecendo aos aliados e a imprensa do Amapá – essa “que sempre me tratou muito bem”

SENADO:GASTÃO VIEIRA E ROBERTO ROCHA EMPATADOS

Na disputa estimulada foram montados dois cenários, um com a presença do João Castelo e outro sem o ex-prefeito de São Luís

Roberto Rocha aparece tecnicamente empatado com Gastão, aponta Econométrica (ARTE/O IMPARCIAL)

Roberto Rocha aparece tecnicamente empatado com Gastão, aponta Econométrica (ARTE/O IMPARCIAL)

A pesquisa Econométrica/ O Imparcial aponta que na simulação espontânea para eleição de senador o ex-prefeito de São Luís João Castelo (PSDB) lidera com 8,9%, seguido pelo vice-prefeito de São Luís, Roberto Rocha (PSB) com 4,9%, o ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira (PMDB) tem 4,3%, empatados pela margem de erro.

Haroldo Sabóia (PSOL) tem 2%, Lobão (PMDB) 1,1%, João Alberto 0,5%, Arnaldo Melo (PMDB) 0,4%, José Reinaldo (PSB) 0,2%, Roseana Sarney (PMDB) 0,2%, Pedro Fernandes (PTB) 0,1%, Bira do Pindaré (PSB) 0,1%, Pastor Bel (PEN) 0,1%, Sarney (PMDB) 0,1%, Sarney Filho (PV) 0,1%, nulo 5,4% e não sabem 71,7%, totalizando 100%.

Estimulada
Na disputa estimulada foram montados dois cenários, um com a presença do João Castelo e outro sem o ex-prefeito de São Luís, isto se explica, pois até pouco o tucano se mostrava interessado na disputa e chegou a lançar sua pré-candidatura em um evento de seu partido na cidade de Imperatriz.

No primeiro cenário apresentado ficou da seguinte forma: Castelo com 28,7%, Roberto Rocha 15,6%, Gastão Vieira 14,7%, Haroldo Sabóia 6,7%, nulo 11% e não sabem ou não responderam 23,4%, somando desta forma 100%.

No segundo cenário, um empate técnico foi apresentado entre Roberto Rocha com 22,4% e Gastão Vieira com 21,8%, Haroldo Sabóia possui 11,3%, nulo 14% e não sabem ou não responderam tem 30,5%, totalizando assim 100%.

Rejeição
Quanto à rejeição, a Econométrica diz que João Castelo é o que possui o maior índice de eleitores que não votariam nele para a disputa do Senado, o ex-prefeito chega a marca de 20,9%, seguido por Haroldo Sabóia com 17,2%, Gastão Vieira 14% e Roberto Rocha com 13,7%. Não sabem ou não responderam tem 34,1%, totalizando 100%. (Diego Emir)

COM APOIO DE DILMA E LULA,LOBÃO FILHO CRESCE PARA 35,2%

Pesquisa mediu a influência das alianças nacionais no cenário regional

Pesquisa buscou aferir a influência que as coligações nacionais exercem em nível local (ARTE/O IMPARCIAL)

Pesquisa buscou aferir a influência que as coligações nacionais exercem em nível local

A pesquisa Econométrica/O Imparcial aferiu ainda qual o tamanho da influência de nomes do cenário nacional, que concorrem e já concorreram à presidência da República, no cenário local. Neste ambiente, Flávio Dino, que conta com apoio do presidenciável Aécio Neves e os tucanos José Serra e Fernando Henrique Cardoso, apareceu com 46,9%. Já Lobão Filho, apoiado pelo ex-presidente Lula e a atual presidente Dilma Rousseff, obteve 35,2%. Nulo representa 4,5% e não sabem ou não responderam 13,4%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 17 e 20 de junho de 2014 em 53 municípios, ouvindo 1413 eleitores. Os números estão registrados no TSE sob o protocolo MA-00014/2014 desde 16/06/2014 e BR-00182/2014 desde 20/06/2014. A margem de erro é de 2,6% com um intervalo de confiança de 95%. (Diego Emir)

“EU BOTO E EU TIRO” VANGLORIAR-SE RIBAMAR FILHO

Ver. Fábio, primeira-dama Everusia e prefeito Hernando Macêdo

O jovem Prefeito Hernando Macedo,parece não preocupar-se com esta afirmação do ex-prefeito,pois ao mesmo tempo que sede espaço em seu governo para as indicações de Magda Letícia e Ademar Júnior,secretários de Assistência Social e Transportes respectivamente, o condena por mal feitos.

???????????????????????????????

Ribamar Filho

Na semana passada, o chefe do executivo dompedrense,convidou o blogueiro Carlinhos Filho para visitar as quadras poliesportivas que estão sendo construídas no Município, nesta oportunidade, o prefeito Hernando taxou o seu aliado de larápio de 20 quadras já liberadas anteriormente e não construídas,conforme declaração abaixo.(veja matéria completa no link http://www.carlinhosfilho.com.br/2014/06/imagem-que-me-fez-pensar-em-pocao-de.html)

“Carlinhos, já vieram recursos para construir mais de 20 quadras em Dom Pedro, mas os prefeitos anteriores ficaram com o dinheiro; eu faço diferente, vou construir essas quadras e saciar esse desejo de meu povo”, afirmou o prefeito Hernando Macedo no movimentado canteiro da obra.

Acontece que nosso prefeito exagerou nesta afirmação,pois foram apenas 3, sendo uma no povoado Triângulo,onde apenas foi limpo o terreno,outra no bairro Cândido Hermes,onde as ruínas pós desabamento ainda lá estão e a outra no bairro Ceasa.

page

Dr. Fabrício e Eduardo DP

Pelo visto, a situação do ex-prefeito ficha suja vai ficar difícil,pois entre os prováveis candidatos ao Palácio Ananias Costa, aparecem vários desafetos, o primeiro seria Eduardo Dp,que atualmente vive com a sua ex-esposa,o segundo seria Dr. Fabrício Abraão, pois em 2004, seu pai denunciou o ex-prefeito por uma compra de fogos, que à época, quase lhe rendeu a cassação, e por fim, o seu pupilo de 2012 e que irá disputá a reeleição,Hernando Macedo,mas que hoje o chama de larápio.

E agora José?José para aonde?