REDES SOCIAIS INFLUENCIARAM A ESCOLHA DO VOTO DE 39% DOS ELEITORES CONECTADOS

Pesquisa conduzida pelo Datafolha mostra que as ferramentas de interação online “influenciaram muito” 19% dos entrevistados e “um pouco” 20% deles.

Quase metade do eleitorado que tem acesso à internet possui uma conta em pelo menos uma rede social. Desse grupo, 46% compartilham notícias sobre eleições em suas contas (Pacífico/CB/D.A Press.)

Do eleitorado brasileiro conectado à internet, quase a metade (47%) tem conta em alguma rede social. Facebook e Whatsapp despontam como as mídias sociais mais acessadas, mostrando inclusive que são ferramentas capazes de exercer um papel de conveNcimento político.

Em pesquisa realizada pelo Datafolha, 39% dos entrevistados disseram ser influenciados de alguma forma por publicações nas redes sociais, sendo que 19% se considera muito influenciado e 20% um pouco.

A leitura e o compartilhamento de notícias também se mostrou bastante expressivo. 75% dos internautas inscritos em redes sociais costumam se informar por meio de suas contas – sendo o Facebook a rede mais popular, com 68% dos entrevistados – e 46% afirmam ainda compartilhar noticias sobre eleições em alguma rede social.

Os eleitores conectados também usaram as contas em mídias sociais para declarar os seus candidatos preferidos. 20% dos entrevistados afirmaram ter publicado os votos no primeiro turno, enquanto 22% contou já tê-lo feito nesta etapa final da disputa.

A pesquisa revela ainda que em cada 10 eleitores, 6 têm acesso à rede. Se apenas os mais jovens forem considerados (16 a 24 anos), esse número aumenta para 9 em cada 10 eleitores ou 8 em cada 10 quando a faixa etária é de 25 a 34 anos.

Dilma e Aécio também estão empatados no número de seguidores do Facebook, cada um com 9% dos entrevistados. A pesquisa do Datafolha ouviu 4.389 pessoas em 257 municípios nesta última segunda-feira. A margem de erro da pesquisa é 2 pontos para mais ou para menos.

(CORREIO BRAZILIENSE)

TCE JUGARÁ CONTAS DA EX-PREFEITA DE DOM PEDRO

Arlene Costa

Está na pauta da 39ª sessão ordinária do pleno do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão(TCE/MA), o julgamento  nesta quarta-feira(22), às 10 horas, as contas da gestão 2009 da ex-prefeita de Dom Pedro, Arlene Costa.

As contas do exercício em questão, serão analisadas em 02 processos distintos, o de prestação de contas anual da prefeita – processo nº 3322/2010 e o de contas dos gestores da administração direta – processo nº 3327/2010.

40 – PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DO PREFEITO – PROCESSO Nº 3322/2010

Prefeitura Municipal de Dom Pedro

Responsável: Maria Arlene Barros Costa

Ministério Público: Flávia Gonzalez Leite

Relator: Melquizedeque Nava Neto

Advogado: Carlos Sérgio de Carvalho Barros – OAB/MA 4947

41 – TOMADA DE CONTAS DOS GESTORES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA – PROCESSO Nº 3327/2010

Prefeitura Municipal de Dom Pedro

Responsável: Maria Arlene Barros Costa – Prefeita e Rômulo César B. Costa – Sec. Mun. Adm. e Finanças

Ministério Público: Flávia Gonzalez Leite

Relator: Melquizedeque Nava Neto

Advogado: Carlos Sérgio de Carvalho Barros – OAB/MA 4947

 

UM “FUTURO” SEM HOSPITAL EM DOM PEDRO

IMG_1114.JPG A população de Dom Pedro corre um grande risco de ter que pedir socorro para os municípios vizinhos, caso alguém precise de atendimento médico.
É que o prefeito da cidade, Hernando Macedo (PCdoB) não paga há anos o imóvel, onde funciona o único hospital do município.

IMG_1115.JPG

IMG_1116.JPGPor conta disso, o proprietário do imóvel ingressou na Justiça pedindo o pagamento do aluguel atrasado e o despejo do imóvel (hospital). O prefeito recorreu da decisão, mas perdeu.

O relator do processo, desembargador Marcelo Carvalho Silva, concedeu uma liminar à favor do dono do imóvel(Dr. Remi Trinta), determinando que a prefeitura efetuasse todo o pagamento dos atrasados.

Agora, a população pode ficar desassistida de um atendimento de urgência e emergência, visto que o único hospital público da cidade será fechado.

Tudo por falta de compromisso do prefeito Hernando Macedo, que parece não se preocupar com a saúde da população. (LUIS PABLO)

DATAFOLHA:DILMA TEM 46% E AÉCIO,43%

Pesquisa Datafolha divulgada na noite desta segunda-feira mostrou, pela primeira vez, a presidente Dilma Rousseff (PT) numericamente à frente de Aécio Neves (PSDB) no segundo turno. Ambos continuam empatados tecnicamente. Dilma registrou 46% das intenções de voto e o tucano, 43%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Nos votos válidos, Dilma tem 52% e Aécio, 48%. Votos em branco e nulos somam 5%. Os indecisos são 6%.

Em comparação ao levantamento apresentado na semana passada, Aécio oscilou 2 pontos para baixo, passando de 45% para 43%. Dilma oscilou 3 para cima, de 43% para 46%.

Na semana passada, os eleitores que declararam voto em branco ou nulo eram 6%. Os que não tinham candidato também eram 6%. Considerando somente os votos válidos, Aécio tinha 51%, e Dilma, 49%.

A pesquisa também mediu a popularidade da gestão Dilma. Os eleitores que consideram o governo ótimo ou bom oscilou dois pontos para cima em relação à semana passada _ de 40% para 42%. Os que classificam como regular passou de 38% para 37%. Já aqueles que avaliam como ruim ou péssima a gestão atual são 20%, ante 21% do levantamento anterior.

O Datafolha entrevistou 4.400 pessoas nesta segunda-feira nos 26 estado e o Distrito Federal. A pesquisa, contratada pela Empresa Folha da Manhã S.A. e TV Globo, está registrada na Justiça Eleitoral com o número BR-01140/2014.

(O GLOBO)

MEGA-SENA ACUMULA E PODE PAGAR R$50 MI NA QUARTA-FEIRA

Ninguém acertou as seis dezenas sorteadas.

Acumulou.Não houve acertador do concursos 1645 da Mega-Sena, realizado na cidade de Natividade da Serra, em São Paulo.

Confira os números sorteados neste sábado: 08 – 18 – 21- 31 – 37 – 38.

Por ter final com o número cinco, o concurso recebeu um adicional de 22% do total destinado ao prêmio dos últimos cinco concursos, o mesmo ocorre a cada final zero. A Quina teve 137 premiados, que receberão R$ 29.198,03 cada. Já em relação à Quadra, 8.400 pessoas acertaram e levaram R$ 680,29.  A arrecadação total do sorteio foi de R$ 68.325.217,50.

O FUTURO AUSENTE

Debateu-se a manutenção da Bolsa Família, mas não se debateu como e em quanto tempo nenhuma família brasileira necessitará de auxílio para garantir sua sobrevivência.

IMG_1087.JPG O debate na TV Globo é o ponto alto do processo eleitoral. Ali, cada candidato tem a última chance para dizer por que os eleitores devem optar por ele ou por ela. Em 2014, o eleitor que buscou o melhor candidato no primeiro turno ficou frustrado pela ausência do tema educação. Educação foi jogada na vala comum, e o tema não foi sorteado. Pior, apesar de a educação permear todos os temas que foram sorteados, nenhum dos candidatos aproveitou cada questão para apresentar suas propostas de como fazer a revolução educacional que o Brasil precisa iniciar urgentemente.

A verdadeira razão da ausência do tema educação está na ausência do tema futuro.

Das muitas dezenas de horas de entrevistas, discursos, debates e manifestações, os temas debatidos estiveram sempre vinculados aos problemas do presente, não foram sobre o destino que o candidato sonha para o país e quais as reformas estruturais que levem ao destino que defende.

Mesmo quando o tema da educação apareceu, os candidatos se limitaram a sugerir horário integral nas escolas, sem dizer como fazê-lo a partir do governo federal, sendo a educação de base uma questão municipal e estadual; nem se discutiu como será a educação nas próximas décadas. Tampouco como fazer a educação ser igual para todas as crianças, independente da cidade onde mora e da renda dos pais. Comemora-se que alguns filhos de pedreiros já entram em alguns cursos superiores, sem propor como fazer para que todos os filhos de todos os pedreiros tenham a mesma oportunidade para disputar o ingresso nas melhores universidades.

Debateu-se a manutenção da Bolsa Família, mas não se debateu como e em quanto tempo nenhuma família brasileira necessitará de auxílio para garantir sua sobrevivência.

Em um mundo que se globaliza em todos os aspectos, inclusive por epidemias, como se vê agora com o caso da ebola, o problema da segurança nacional não foi debatido.

Debateu-se a baixa taxa de crescimento do Produto Interno Bruto no presente, sem debater que tipo de PIB é desejável para o Brasil no futuro: se vamos continuar basicamente com bens primários ou concorrer mundialmente com bens de alta tecnologia. Ninguém propôs e nenhum entrevistador perguntou como abrir as portas para o Brasil ingressar no mundo dos países inovadores.

Debateu-se como ampliar o sistema de segurança, mas não se debateu como fazer as cidades serem tão pacíficas que não se necessite do estado policial que estamos construindo.

Nenhum tema foi debatido na perspectiva do longo prazo. O debate ficou prisioneiro do imediato, como se estivéssemos escolhendo um gestor para apenas administrar a crise e não um estadista para reorientar os destinos nacionais.

Felizmente, ainda temos uma semana antes do segundo turno, além do que, a cada quatro anos, a democracia oferece novas oportunidades ao país e seu futuro ausente.

por Cristovam Buarque